quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Desvirtuaram o virtual


Achei interessante uma propaganda de uma operadora móvel discriminando “a mulher gata, que leva o o lap top para estar conectada”.
De péssimo gosto a propaganda em duas vertentes importantíssimas. “por ser gata, ela deve ser boa de internet”.  Se não for bonita não precisa ser “boa de internet”

Ao mesmo tempo em que  desconjuro a possibilidade de ir à praia, ou a um passeio, levando um celular, que dirá meu lap top! Isto é patético. São 24 horas conectada ao mundo, sem tempo para mim mesma...
Sem tempo para um mergulho nas ondas do mar, sem tempo pra conversar face a face com amigos que encontraria por lá...
O que há de errado

Por que de um tempo para cá, sou careta demais por não me afeiçoar de tanta tecnologia e pelo amor de Deus por querer um pouco de paz

Como se as possibilidades maravilhosas todas, residissem no mundo virtual!
Isto tem que parar!

Da mesma operadora, duas mulheres se maqueiam  em frente ao espelho e tiram sarro do colega no restaurante. Bem sucedido, naturalmente bonito, mas é RUIM DE INTERNET!
E daí

Quando eu saio de casa, vou a um parque, viajo, eu quero mesmo é ficar off. Desta loucura toda. Se possível, não me dêm notícias ruins.
Se estou em casa e quero ficar off, dêm-me licença para sentar com meus filhos e curti-los. Ouvir o que têm a dizer.
Não, não sou santa!  Tenho bilhões de defeitos virtuais o primeiro deles, ter perdido o controle sobre minhas mensagens que beiram a 4000 e eu não as consigo ler. E se for algo importante E se for algum convite, ou pedido de material... Daí vem o sono avassalador e me salva desta piração cibernética!
Acho que acordei definitivamente, no dia em que falei para minha filha ir dormir pelo Skype. Nós estamos a poucos metros de distância.
Eu desliguei tudo, fui lá, eu a beijei, a senti, lembrei-me de quando contava historinhas e ela pedia “novo mamãe” (de novo mamãe), quando nossos contatos sempre foram corpo a corpo, alma na alma, espírito, no espírito. Orávamos, líamos a Bíblia, vivíamos afinal.

Não quero ser uma pessoa a mais no mural de ninguém. Não quero que pensem que sou omissa, ou desligada o bastante para me esquecer de GENTE! Não, não...
Entendam afinal, que não sou ruim de internet, eu SOU PÉSSIMA! Graças a Deus...
E quero continuar assim!

Virtualmente  sendo benção para quem não posso dar um abraço carinhoso, realmente abençoada por ter  amigos que ultrapassam a virtualidade.
E se um dia me virem na praia , com um lap top, por favor, batizem-no no azul, azul do mar...

Gláucia Carvalho
23.02.2011

6 comentários:

Marco Aurelio disse...

Muito bom, nao a escravidao tecnologica!!!! Precisamos de relacionamentos reais, sempre que estes forem possiveis.O virtual deve ficar pra aquilo que a distancia nao permite que seja real.o calor humano, o abraço, o amor jamais sera vrtual.Parabens!!

Cristina Corrêa disse...

ESPETACULAR!!

VC É BEM MELHOR AO VIVO!!HAHAHA

Arline disse...

Vc é demais (estou sem exclamação no meu comp) só te conheço virtualmente e de ouvir falar e se vc é péssima virtualmente, fico imaginando como vc é de verdade... DEus continue te iluminando e dando palavras escritas, cantadas, digitadas e faladas com esse potencial de "abençoamento"

Mr. BlueSky disse...

Os meios impessoais distanciam as pessoas; tudo bem ficar longe mas a internet nos mantém perto, esse é o lema da atualidade. É uma sensação genérica, nada mais que isso. Você sente algo no coração, uma felicidade de nível 1 quando você ta na frente do computador e recebe uma mensagem, é legal, mas não o suficiente.

Tem um Filme chamado "Substitutos", com o Bruce Willis, a temática é simples, pessoas sentadas numa máquina guiando seu robô pessoal, idêntico a um ser humano! Tem "mulheres" lindas, que quando iam ver quem estava no controle de uma delas, era uma pessoa horrorosa e destruída sentada numa máquina, simplesmente por não se cuidar.

Obviamente esse filme é o extremo. E essa propaganda que você falou, eu não sei qual é kkkk.

Enfimm... eu to falando demais por aqui, vamos combinar de nos encontrar e falar pessoalmente... esse negócio de internet não está com nada!

Beijinhos

J.F.AGUIAR disse...

Gláucia minha irmã, tens toda razão
não podemos desvirtuar o virtual
há tempo para tudo, tempo de se comunicar, tempo para família,
não podemos ficar colados o tempo
todo em um computador.
Uma faca é um utensílio mas pode virar uma arma, da mesma forma este
mundo da net. podemos virar escravos... tudo na vida tem que haver equilíbrio.A sociedade tecnicista e sua massificação:Quem não for como todo mundo, quem não
pensar como todo mundo está eliminado."Abaixo a ditadura da massificação"
Parabéns!

Metamórfica disse...

Glau, preciosa,
É bom demais te ler. Vc faz a gente se sentir mais gente. Principalmente com um texto desse. E a gente, eu mesma, estou precisando mesmo desconectar... e me conectar mais em mim mesma..
amo-te.
:)