sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

A moça e o violino

Uma música pairou.
Interessante veio em fotografia.
Eu já sonhava poesia para esta ocasião.
Chegou mais rápido que esperava
E veio feito traço fino, 
Feito linho fino,
Feito melodia afinada de lugares desconhecidos.

Sabia, seriam sons amigos! Afeiçoei-me ao instrumento,
Afeiçoei-me à instrumentista, que por si só, já é artista, 
E creio irá enfeitar ainda mais as canções do céu.
Adoçar a boca de quem anda amargo,
Irá espalhar vida, feito mel!

Gláucia Carvalho
17.12.2010

(Para minha amiga - irmã, Cristininha Mendes! Te amo mana!)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Desabafos em atos!


Sentada, me refazendo, tentando. Busco agora uma nova maneira de lidar com as coisas sem ser demasiadamente dramática. Sei que a vida o é por si só. Não quero mais teatro do que devo ter. 

Sinto-me madura, muitas vezes obscura até mesmo para os 40 e poucos que ainda tenho. Nem vividos ainda. De fato se for analisar, ainda não saí dos 30 e alguma coisa, onde minha vida era pura correria atrás do vento, de onde me contento com muito pouco. Muito pouco.

Os filhos são a maior realização. Neles eu SOU ALGUÉM. Sinto-me como parte de um plano realmente bem engendrado para que eu esteja e seja aqui, neste exato momento, onde tenho quase sempre a sensação de inadequação sobre todas as coisas. Nada em mim confere realmente. Nada em mim se afere de tal forma que eu me sinta confortável e diga que estou no lugar certo, na hora certa.
Meu deleite jamais será o leite derramado. Nunca vou sorrir para as tristezas da vida. Nunca vou achá-las engraçadas.
Tristeza é triste, dói, a gente chora e pronto. As coisas vão se resolvendo.
Não creio nos eruditos que dizem depois de um tempo sorrir de situações pra lá de trágicas. Não comigo. O que é trágico tem nome e nome ruim. Seus nomes serão dados até o fim.

Porém o que é bom, é maravilhoso demais, tão sublime e fantástico para ser narrado aqui, não consigo dar nomes. São espetaculares e grandiosos e que devem pertencer aos nomes dados por Deus às estrelas , astros. Sim, sei que Ele as chama pelo nome. Meu nome é dito por Ele e eu escuto, assim como canto o nome dos meus filhos. Chega a ser uma música melodiosa, com linda harmonia e vontade de viver...
Meus sonhos são sonos. Meus sonos são sonhos. Numa ou outra esfera, estou bem. Grata. É o momento da ausência da dor. Hoje, posso dizer catedraticamente, da dor física que me abate há alguns anos.
Já estive amarga, já beirei ao desespero, senti tudo o que uma pessoa com dor crônica, apenas estas pessoas, podem  dizer sente, sofre. Ninguém mais. Sem conselhos, sem tentativas vãs de ajuda. Não há ajuda. Depois que os médicos se vão todos, que os exames se esgotam, que todas as pílulas de todas as cores e formatos e dosagens já foram tomadas e tentadas, você se sente só. E você deve ficar só.  A dor é sua. Ninguém divide dor FÍSICA, com outrem. Isto não existe. Eu tentei por várias vezes tomar a dor de outros amados para mim, jamais consegui uma dorzinha de cabeça. No máximo uma tensão nas costas que atribuo à tristeza. Uma das formas de tristeza, é ter dor nas costas. Logo percebem que você anda cabisbaixo, triste, insone...

De todos os infortúnios a falta de sono é o pior.
Não é raro pessoas brincarem comigo e acharem que meu sono exacerbado é algum tipo de piada. Não é não.
Eu preciso de medicação que controle  a dor. A dor naturalmente nos deixa impacientes e irritados, então eu preciso de outra medicação que controle o humor e não me descaracterize como ser humano. Como eu nasci, com meus atributos, virtudes, defeitos. Não posso deixar que a dor controle até minhas atitudes.
Daí vem o sono. Avassalador, impetuoso, urgente, lindo, deixando-me com um ar de graça e vida, de renovo e esperança, de “quem sabe ao acordar
Sim, alguns me chamam de fraca. Se dormir para fugir da dor for fraqueza, não me importa. Podem me chamar de fraca sim.  Neste meio tempo, nesta meia vida, nesta metade de tudo, inclusive de mim mesma, vou aprendendo, que o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza e que somente a graça d’Ele me basta.
Ele me tem dado o privilégio de dormir. 
De acordar e ver filhos lindos, ouvir lindas canções, ter meus pais por perto sendo livrados de tantas doenças, tocando  cantando conosco, compartilhando dia a dia dos milagres que o Deus a quem servimos faz. Tenho o privilégio dos meus irmãos que eu amo com minha alma, que são música na minha vida, tenho a alegria das minhas cunhadas, dos meus sobrinhos que são o “orvalho” que já não existe mais na nossa terra seca. Eles têm o poder de produzir isto em nós. Em qualquer época do ano...

Talvez só eu veja. Sempre fui um tanto excêntrica. Não importa. Eu vejo e sinto o orvalho que se esvaiu daqui...
Anda por outras terras, onde ainda quero ir.

Hoje, eu só quero dizer que as coisas são complicadas sim. Jesus não disse que seria fácil e não é. Mas Ele nos falou para termos bom ânimo, afinal Ele venceu o mundo, a morte, as trevas e nós somos mais que vencedores com Ele que nos amou sobremaneira.
O que eu quero mais
Jesus, santificação, o pão nosso de cada dia, amor ao próximo e excelentes e profundos sonos...
(Boa noite!)


Gláucia Carvalho
14.12.210 

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Violência no Rio, violência em Sampa,
Violência em Brasília...
Queria tanto que da nossa bandeira,
Uma estrela que brilha,
Fosse estrela guia,
...Dos tempos de hoje pra esperança...
A ordem desordenou meus sentidos,
Eu tenho lá meus motivos,
Para descrer!
Só Deus é a saída,
A entrada, a partida,
Para uma vida de paz.
Apesar, apesar...

 

Gláucia Carvalho

25.11.2010

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Resgate

No moinho fui moída
Na fogueira fui queimada
Na penumbra fui traída
Fui também apedrejada

...Porém como água que vira vinho
Pelo Amor eu fui amada!
Foram-se a penumbra, a fogueira, o moinho,
Eu fui da cruz resgatada!



Gláucia Carvalho
10.11.2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Com todo respeito aos que se foram,
Mas as homenagens e flores,
Os beijos e amores,
Os infindáveis "Eu te amo",
Os joelhos diante de seus corpos,
Não deveriam ter sido feitos em vida?
Com todo respeito, eu repito,
Mas não vejo sentido em quase nada
De repente tornam-se santos, ao partir!
Eu te amo é aqui e agora, eu te amo, não se joga fora,
Os ouvidos de quem foi , já não podem mais ouvir!

Gláucia Carvalho
2.novembro.2010

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Temporais

Tangível, tocável, tangente,
Tem gente?
Tem povo?
Hipotenusa,
Obtuso,
Obscuro às vezes,
Por meses, por anos,
Mas se as nuvens pintam
De aquarela o céu,
E as estrelas piscam
Multicor um véu,
Cai a chuva lembrando
Da promessa de outrora
Muito mais que agora
A brilhar na íris,
Temporais são lindos,
Com seus arco iris!

Gláucia Carvalho
12.10.2010

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Mina d´água

Eu ouvi sobre a esperança

Ela tem por sobrenome água,

Várias minas que preenchem as vagas

E ressequidas brechas

Do nosso ser...



Como entender se não saber da fonte certa

E ir buscar no interno mar aberto,

Cheio de portos inseguros, tantos sais e ais e caos?



Como te dizer vá ao encontro do Eterno!

Que te oferece água mais pura

E quem dela bebe não volta a ter sede jamais.

Quem dela experimenta,

Já não volta aos incertos desertos, portos e cais...



Gláucia Carvalho

20.9.2010

domingo, 26 de setembro de 2010

Bem-Aventuranças

Doloroso ver o próximo do próximo,
Ainda que distante de mim,
Ter as marcas da injustiça em sua alma,
No seu corpo a lembrança ruim.

Feias marcas da desgraça e traição, 
De seus olhos enxergando apenas passado,
Seus ouvidos escutando solidão,
Mesmo tendo a imensidão ao seu lado.

Em suas mãos calejadas e cansadas,
O amargor de carregar a triste dor,
A minha boca seca anseia pela água, 
Que desague piedade e favor!

Onde Cristo é o pão da vida que sacia, 
E derrama minas infinitas de miraculosa água,
Onde o amor destrona ódios e temores, 
E em paz é convertida toda mágoa!


Gláucia Carvalho
20.8.2006

"Bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos."

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Tempestade, me abraça!!!
Me enlaça agora,
Por favor não demora,
Estou com sede... Tempestade, me abraça,
Me enlaça pra sempre, não me deixe jamais,
...Não me diga adeus, sei que se vier eu vou te abrir meus braços,
E direi grata aos céus, OBRIGADA MEU DEUS!!!

 

Gláucia Carvalho

22.9.2010

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Sétimo céu (Bem aventuranças)


Eu fui até o ribeirão,
Tentei de lá triscar a lua cheia,
A minha viagem foi em vão...

Ela subiu, sumiu num instante,

Daí a vi surtada minguante,

Êta lua distante...


Eu fui até a beira da praia,
Tentei de barco, o alto mar,
Não vi sequer nenhum resquício,

Do sol que se põe do lado de lá...

Tentei tocar, em vão, tocar...

Ele desceu num instante e mergulhou,

Queimando as águas distantes,

Pra mim? Nem lembranças deixou...


Eu fui até o topo do morro,

Achei que tocaria uma pincelada de azul,

Que nada, o azul fica bem mais longe que suponho,

Não há chance, não há sequer um pedaço de véu,

Que simule, que adoce a boca de quem quer alçar o primeiro
"e que" dirá derradeiro, vislumbre do não-cético sétimo céu...!!!

Gláucia Carvalho

15.8.2006


"Bem aventurados os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos Céus". Mateus 4:3

quarta-feira, 15 de setembro de 2010


Sabe o que é incrível? Quanto mais eu vivo,
Mais entendo como as misericóridas do Senhor são renovadas a cada manhã, a cada amanhã...
Ele é a supremacia do amor, no meio do deserto!
Mesmo sem chuva, eu vejo a parreira,
Eu tenho cachos de uva,
...Tenho eu vida inteira!

Canto aos quatro ventos o meu canto,
Em varías cores e tons,
Àquele que doa todos os dons,
Deus é bom, Deus é bom, Deus é bom!


Gláucia Carvalho
15.9.2010

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Felicidade


E a vida segue gente!
Hoje eu estou mais contente!
Deus é bom enfim e no fim, a esperança não morre,
Porque a morte é a vida!
A lida é apenas o aprendizado, que à nado,
À pé, em saltos, voando,...
Vamos alçando encontrar.
No eterno, o terno abraço do Pai!
O encontro maior, daquilo que nos encerra no meio do caos,
No limiar da dor,
Esta palavra se resume no delicioso ofício do amor!


Gláucia Carvalho
8.9.10
(e eu amo amar!!!)
;)

segunda-feira, 30 de agosto de 2010


Sei dela uma beleza extrema,
Sei dela uma fragrância, uma poema.
Sei porque a conheci desde sempre.
Sei dela, porque não seria nada,
Se não fosse de Deus a misericórdia,
A cada manhã renovada!
Sei dela, assim tão amada,
Que o pouco que ainda me resta,
É apenas a doçura da espera.
Do encontro no eterno que ela,
Jamais sonda ousar imaginar
Pois é lá que fará o que mais ama em vida
Cantar, cantar e cantar!

Gláucia Carvalho
(Em homenagem ao meu amigo Valter Júnior)

De algo eu sei, que eu não sei.
E se sei, aprendi de Deus!
Ele me conhece desde o ventre,
Ele me conhece na nascente,
Ele me sonda no por do sol,
...E eu peço assim,
Livre até de mim,
Que me faça inteira,
Assim verdadeira,
Comigo e com os outros,
E que livre afinal,
De todo caminho mal!

Gláucia Carvalho
27.8.10


Sei dela o que não sei ainda,
Sei dela o que é mais ida que vinda,

Não sei dela, sei apenas dela um traço de tristeza,

Por ser ela bela e por não ser dela a beleza...

Sei dela o que lhe fora destinado,

Há primórdios malditos, que recitados guardados,

Disseram-na és bela, mas o serás apenas para ser vista.
Jamais para ser tocada ou amada.
Sei dela, apenas a mágoa.

Sei dela, apenas a sombra, o fogo que certamente
Em brasa algum dia, apaga.

Gláucia Carvalho

30.agosto.2010

terça-feira, 17 de agosto de 2010

SeCastigo


Hoje faria um daqueles hinos.
Com direito a toque de sinos,
De trombetas, berrantes e "shofares",

Ou o que quiserem chamar.

Parafrasearia o bem-te-vi Benjor:

-Chove chuva, chove sem parar!!!

Ou cantaria à moda antiga,
Nas brincadeiras da infância e de agora,

Gritaria bem alto porque tô à fim:

-TOMARA QUE CHOVA TRÊS DIAS SEM PARAR!
Que terra "secastigada" sô!

É o beiço cortado,

A pele rachada,

O nariz sangrando,

As árvores morrendo,

Os bichos fugidos,
As matas queimando,

Ó Deus, tenha dó de Brasília, nos brilha de chuva...

Nos embrulha de bençãos mais do que merecemos,

Aqui há uma névoa tão negra de poder...

Só o Senhor que é o dono de tudo,

Que manda nos tempos, pra ter pena de nós

Ordenar um "BASTA" às pedras do caminho,

Que eu sei que num instante, tudo e todos se curvam,

As nuvens se ajeitam à voz do Poderoso Deus
e certamente

...vai chover.

Gláucia Carvalho

24.9.2007


(muito seco em Brasília)

A vida é aqui e agora rapaz,
Não deixe a vida escapaz moça,
Não deixe a vida ser jogada fora criança,
Pegue a chance agora na dança,

Na poesia, na alegria, na tristeza,

Sabendo que Deus tem a beleza,

De transformar todo pranto em tesouros,
Jamais se iluda com mimos e brilhos de ouros,

Incomparáveis com os pingos da chuva,

Ainda mais quando se seca o amor de muitos.
A vida é aqui é agora.
Não moça, não rapaz, não criança, não gente boa,
Não vá jogar a vida fora!


Gláucia Carvalho

17.agosto.2010

sábado, 14 de agosto de 2010

Nunca se sabe adeus...


E a vida vai nos ensinando,
Que mesmo doendo, mesmo doente,
A gente segue gente!

E a vida vai nos incitando!
Eu vou recitando!
Uns versos, umas rimas!
Eu vou cantando hinos,

Eu vou dizendo mimos,
Aos meninos meus.

Nunca adeus...

A minha partida certamente,

Não se entende...
A da vida de ninguém,

Jamais se entende!

A melancolia é a dança,
Que balança, os dias meus!

Adeus, adeus...

Gláucia Carvalho
14.8.2010

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Oásis


Tentaram me desordenar....
Foi em vão decerto!
Sou um mar aberto,
Para o encontro das águas.

O que em mim deságua,

Vem da fonte mais pura,
Que é somente ternura,

Do Eterno amor,
Não sinto solidão do deserto,
Sinto mais perto todo o Oásis,
Que me cabe mesmo na dor!


Gláucia Carvalho
9.agosto.2010

Pai Passaredo


É assim como um soneto,
Minha vida com meu pai,
As conversas sobre a vida,
Dia a dia que se vai,

Nos conselhos sempre sábios,

Do meu maior amigo,
Daquele que mais me ama aqui,
Daquele que me é abrigo.

Não nos falta pão, palavras,
Não nos falta tamanha ternura,

Que chego a pensar que sou a mais afortunada,
Que todas as criaturas.

Pai, minha vida é simplicidade,
É docura pelo senhor,
Que atravessou tantos sertões e veredas,

E ficou mais lindo com a dor.
Obrigada pelas orações,
Pelo Pai Nosso de cada dia.

Obrigada pelas músicas enchendo a casa, a vida,

E com ela tanta poesia.

Obrigada por nos fazer sentir amados,
Como filhos assim abrigados,
Que sempre têm para onde voltar,
Obrigada por eu ter este nome sagrado,
Que é PAI, para eu chamar!

(eu te amo papai!)
Beijos, da "filhota"



Gláucia Carvalho
8.agosto.2010
(manhã)

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Notícia Boa


Me chegou a notícia,
Há tanto esperada!
Eu que antes me sabia,
Uma mulher sem saída,
Sem entrada, sem janela,
...Agora vejo amarelas,
Borboletas e flores azuis!
E vejo um lago profundo,
Onde mergulho o melhor deste mundo,
A esperança de encontrar novamente,
A vertente do verde meu!
A esperança de ser tão somente,
A menina Nos olhos de Deus!

Gláucia Carvalho
5.8.10
(manhã)


Segura não mais secura.
Desaguei nos braços de Deus!
Encontrei a chave do Eterno,
Que me abriu imensidão!
Mora aqui mesmo, não em terras distantes,
...Mora no coração do contrito,
Na humildade de quem com fé ora,
E ao Pai clame que agora,
Conforte os dias seus!
Este alcança dia após dia,
O afago no abraço de Deus!

Gláucia Carvalho
5.8.2010


(Deus habita no Alto e Santo lugar, mas também habita no coração do contrito para vivificar e habita no coração do aflito, para consolar - Isaías - Bíblia Sagrada, leiam todo! Está lá!)

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Canto Sereia


Talvez pela espera,
Talvez pelo talvez,
De vez eu não me quero,
Pedindo pelo eterno,
Retorno bem te quero,
Bem te vi, ainda que não veja.

Talvez eu  apenas seja,

Alguém para partir,

Alguém para ser sua, 

Nos olhos do espelho,
Nos lápis e pincéis,
Na tela antiquário,
Antiquada para alguns,
Para mim, para você,

Não sou apenas uma.
Eu serei sua sereia,
A cantar imensidão,
Nafraugar o seu navio,
No meu porto violão...


Gláucia Carvalho
2.8.10

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Cantador


"Tarde" Cantador!
Sol das banda daqui arde!
Sol da vida, da justiça em mim arrebata,
...Nada mata, mais que a mata, que o orvalho Cantador!
Sim poesia, canto grilo, o berrante,
O instante do encontro,
Da alvorada com a estrela,
Que errante já se vai,
É meu canto, minha esperança,
Nesta vida cantadeira.
Digo CANTADEIRA, esta vida Cantador,
Não se esvai...

Gláucia Carvalho
30.julho.2010

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Resposta à "Um belo bom" do Sr. José Aguiar


Paz, Sossego e Silêncio,
Foi uma frase que ouvi,
De um senhor muito querido,
Que disse assim ao meu ouvido,
Sossega menina, mulher!
Sua alma requer,
Paz, silêncio, sossego,
Agora, dos seus, o chamego,
A chama que nunca se apaga,
Que arde nas noites, mais frias,
Aquece alma sombria,
De quem tem a fome sagaz,
Do Silêncio, Sossego e Paz!

Gláucia Carvalho
29.7.2010

(em homenagem ao senhor José Aguiar pelo carinho, apoio e constantes orações. Deus o guarde e toda sua família.)

Um Belo Bom (Sr. José Aguiar)


Juntos em um caminhar
Lá se vai meu coração
Neste belo bom
Sou transportado a um jardim
Lá não são flores que falam
É Gláu o perfume de palavras
Que vai aos ares
Falar dos pensares dos homens
E dos sonhos do nosso Deus
E diz também
O que nunca me fora dito
Lapidou palavras jóias
Foi demais para mim
Jovem,amiga
Não há conflito
De geração
Nos olhamos com a alma
No trabalhar com os versos
Palavras tão simples
Que nunca me fora dito
Chorei em meu silêncio
Na leveza de uma paz
Onde Deus nos inspira
Os que sabem amar
Filha, irmã
Eternamente...
Simples
De um belo bom!


(É mais que isto minha irmã em Cristo Gláu)

Sr. José Aguiar

terça-feira, 27 de julho de 2010

Não vivo sozinha



Febril,
Teimosa,
Faceira,
Dengosa.
Deserta,
Misteriosa,
Moinho,

Mais vinho?
Mais passos,
Mais vozes,
Mais músicas,
Mais danças,
Sim, mais esperança!
Mais certo que vivo,
É vivo meu Deus!
Não vivo sozinha!
Minha dor não é minha.
Divido com outros,
Os pactos são portos,
Sou luz, sou poesia,
Sou vida, enterrei,
Já velei, os meus mortos!


By Gláucia Carvalho
27.julho.2007

por volta das 17h30

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Noturna


Noturna fiquei assim.
Talvez por nascer
Depois do entardecer.

Noturna, fiquei assim!
Depois de Chopin,
Depois de Jobin,

Noturna, Saturna,
De uma forma, algo em mim,
É tão lunar...

Noturna, sou mais na noite,
Me sou Felina,
Ferinos sensos, feroz olhar...

Noturna, fiquei assim.
Noturno, encerra em mim
Mil noites em Bagdá,
Mil contos para cantar...

Gláucia Carvalho

19. julho.2010

(voando para o Rio, ouvindo Chopin)

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Asas


No espaço, Aço!
Em ação, eu.
Eu apenas e o aço.
Alço vôos mais que posso.
Mais que o aço e ouço.

Dou outro passo, fui!
Ninguém me alcança
O movimento,
Ninguem me trisca

O pensamento!
Aço, passo, abraço,

Laço, Descalça,
Asa,
Brasa, Asas,
Asas
, Brasas, Asas...


Gláucia Carvalho

19.7.10
(voando para o Rio,
com minha Correnteza Luísa)

sábado, 10 de julho de 2010

Monte Negro (Resposta ao lindo poema de Martin)


Ah...
Finalmente alguém entra em cena!
Ah...
Finalmente ele leu o poema!
Hum...
Sinto cheiro de chuva,
Tem parreira, vem uva?
Eu ouvi claramente sobre gente, varal!
Eu ouvi sobre minha vó,
Sobre lenha, quintal!

Eu sonhei novamente,
Eu estou no natal!
Ah...
Finalmente alguém entra em cena!
Contracena comigo!
É amigo de alma!
Apazigua e acalma,
O voraz furacão!

Ah...
Eu senti um vulcão de alegria!
Ele ouviu a poesia,
E sentiu que nas danças,
Nas florestas dos tempos,
Deus tem planos mais altos,
Que ninguém pode ousar!

E que eu, sou pequena,
Pra beijar beija flores,
Pra amar mais que amores,
Que os amores de Deus,
Pois só Ele O Maior
Que me fez mais intensa,
Com amor assim denso,
Pra dizer aos quantro ventos,
Pra dizer aos montenegros,
Todos os meus segredos,
Estou aqui, vá com calma,
Ei, estou aqui! Vá com calma!

Sou amiga...
Um beijo! Um beijo!
Por toda a sua alma...

Gláucia Carvalho
10.10.2010

(Imagem - Índia - por Martin Montenegro)

Resposta à Bumerangue (por Martin Montenegro)


Não há o que perdoar
tampouco se entender
nada extrapola o viver
nada supera o sentir

Não dormem os postes, as esquinas
não velam por nós, as cortinas
cerradas soturnas noturnas
escondem o amor às retinas

mas pinta então um lampejo
respira no fundo um ensejo
de saltar muro, prancheta, varal
buscar contato com meu natural

descubro, quase descrente
que atrás das montanhas tem gente
que pensa, canta e encanta
é amiga, é abraço, é no fim...

...o finalmente.

beijo na alma ;)

Martin Montenegro 10.7.2010

(Imagem - Martin Montenegro! GRANDE ARTISTA!)

Bumerangue


Que é isto! Sei lá eu... Vai entender!
Vai dizer o que é do desentendido "saber"...
Eu só sinto e se sinto,
Não posso explicar.

Não posso freiar, largar,
Pegar ou cercar,

O que é infinito,
O que é tão bonito,

O que não se pode
Dimensionar!

É algo que está fora
Do meu alcance,

Está do lado de lá,
Mas volta bumerangue,
Instigante, veias, sangue,
Por que saiu, do meu lugar!
Volta beijo, volta pra minha boca,
Volta logo, que eu te quero beijar!

Gláucia Carvalho
10.7.2010

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Pausas


Sabe aquele instante,

Em que você está prestes a despertar,

Ainda está a sonhar,

Este é o meu momento...

O instante da música,

Onde todos param, respiram, transpiram

A hora da pausa, a hora mágica e incrível,

Sim, a hora de esperar.

Gláucia Carvalho

(Primeiro de Julho de 2010 - em sagrado momento de silêncio...)

Shiiiiii....

"Ah Luiza quantas rimas, quantos versos
Já foram feitos para ti
Para as Luizas de outrora
Para as Luizas de agora
E tantas outras por vir

Não sei se porque os poetas
Se apaixonam por nome tão doce
Como se Luiza só mel, melado fosse
Mal sabem eles que há misto de mel e pimenta
Oito ou oitenta
Pois Luizas são luas faceiras
Que mudam, secretas, rasteiras
Suas fases, seus truques, brincadeiras
Pra confudir-nos, como disse a “poeta”
E mandar em nossas marés
Tal qual o anjo das águas
Tal qual um grande profeta

Antes de escrevê-la Luiza
Descrevê-la sei, me seria impossível
Pois nome tão pequeno e é incrível
Já te põe nas alturas, já és lua, que sorte!
Ser Luiza, pintora, arquiteta, artista o que queira
Ser Luiza, amiga, fiel, verdadeira
É só ser o que o teu nome quer dizer
Até depois da própria morte
És batalhadora, vencedora, chorona, risona!
É tua sina Luiza, não há como fugir
Luiza foi, é e sempre será: UMA GRANDE GUERREIRA FORTE"

Gláucia Carvalho
(acho que em 2004, para a filha de uma AMIGONA, que como minha filha, também é uma linda Luísa. Com Z.)

Sagrado Segredo


Quem para pra por em papéis,
Sua vida, seus medos, seus sonhos , ideais,
Se abre para vida de desconhecidos,
Que acabam te vendo por dentro,
Por serem assim, tão iguais.

Quem tem a coragem de expôr-se ao mundo,
Dizer o que sente, se é bom, se ressente,
O faz para dar as palavras uma voz, um sentido,
Nos versos não dissimula, não mente,
Passa a ser do estranho, amigo!

Que mágica é esta, que faz os distantes,
Tão próximos sem talvez, se verem jamais,
São as palavras sentidas, nos versos, nas vidas,
Nas vias, nas veias, nos mares e cais.

Quem tem a coragem de abrir sua alma,
Só por desabafo, alívio ou medo,
Merece de quem lhe enxerga por dentro,
Que guarde o seu pranto, em sagrado segredo!

Gláucia Carvalho
(provavelmente em 2001)

Bocado


Eu não estou pensando "nado".
Eu estou pensando um bocado...
Eu acho que deveria ficar
sem pensar um tiquim...
Um ticado...
Para dar um esticado...
Um estirão.
Até o fim da estrada!
Até o fim do mundão...
Onde o sol desce, a lua aparece,
Onde eu me esqueço, onde saem voando eu e meu lenço...
Onde eu simplesmente não penso!

Gláucia Carvalho
23.junho.2010

Quem sou eu?
Acho que esta pergunta
Cai muito bem nesta ocasião da minha vida!
Nao sabia que me seria tao útil...
E que minha cabeça me seria tão inútil...
Em certos pontos, perdi os pontos!
Perdi a cabeça.

Calculo uma média de 8000 a 10000 contatos perdidos...
Mas já calculo uns zilhões de novos contatos achados...
O que eu perdi afinal?
O que é senha??? O que é email?
O que sao mensagens?
O que tinha de mais importante nesta vida,
Pelo menos o que achava que era, eu já enterrei!
Aprendi demais nesta vida, que o que interressa, não foi o que perdi, E sim o que ACHEI!

Eu achei vocês, isto é o que importa!
Eu os perco num instante, mas os tenho de volta!
Maior que tudo e todos é o amor de Deus,
Não haverá distância, profundidade, altura, loucura,
Escuridão, lucidez, ou própria luz,
Que irá nos separar do grande amor de Deus,
Que está em Cristo Jesus... (isto estou certa, jamais perderei...)

(Todo meu amor, Glau)

Gláucia Carvalho
18.junho.2010 13h07