terça-feira, 4 de outubro de 2016

Faz de conta

Faz de conta que é noite agora.
Faz de conta que já não sou mais.
Faz de conta que de mim contam apenas memórias,
Algumas verdades, umas mentiras, uns segredos,
Talvez alguns medos e eu repouse em paz!

Faz de conta que já não tenha sentido,
Nenhum segundo aqui vivido.
Afinal, missão cumprida já faz parte do que se foi.
Faz de conta que sou Poliana por um dia,
E que minha alegria,
É fazer de conta de não fazer de conta!

Faz de conta que fui embora, da mesma maneira que cheguei.
Sem muito alarde, em um fim de tarde,
Como a hora que na vida mais amei.
Faz de conta que que tudo não passou de um poema delicado,
Que eu jamais decorei.

Gláucia Carvalho
04.10.2016

sexta-feira, 15 de julho de 2016



uma poesia pequena.
Poucas palavras. Resumo:
- se não estou, eu sumo!
se não quero, não me espere,
a vida é breve.
A vida é puro movimento,
Se não aqui, estarei lá, noutro momento.


terça-feira, 21 de junho de 2016


a gente conta,
a gente canta,
vive e esquece...


a gente se dobra,
se desdobra,
e aquece.


a gente pernoita,
e se vira de dia,
morre!
E tudo esfria.

Gláucia Carvalho

21.06.2016 

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Palavras

Me chamam de poeta, sou nada!
De uma espécie de mensageira, piada!
Uma amiga das palavras, conversa!
Penso até que elas me odeiam,
Porque me perseguem implacáveis,
Deixando-me insone o corpo,
Até escrevê-las fielmente,
Contando meus segredos a um louco.

Nem adianta travar as portas,
Tapar as frestas, fechar vidraça,
Elas entram sei lá por onde,
Importunam-me e só vão para longe
Quando eternizo minha desgraça!

Gláucia Carvalho
08.01.2003

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Vago

Divago.
Vaga.
Vagarosamente.
Em vácuos complexos, sou simples.
Meu vagar é tão vago quanto eu.
Meu divagar foi tão estranho
que doeu!

Gláucia Carvalho
13.01.2016