segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Finda

Se quiserem tirar de mim as rimas não me importo.
Se tirarem também as sinas, um tanto melhor.
Querem roubar-me o que restou de melodia?
Façam-no rápido.
Elas não me trazem mais alegria.
Se eu fui toda poesia e música
Neste meu estranho viver,
Não esqueçam de tirar esta dor maldita.
Ela indo, meu pranto findo,
Será descanso e morrer!


Gláucia Carvalho
26.11.2011

(dedico a todos que sentem dor crônica. Ainda que seja na alma.)

2 comentários:

J.F.AGUIAR disse...

Não temos como medir a dor que está
no outro...a dor da perda, separação, há cicatrizes profundas
na alma... dores...só quem sofre
sabe o sabor das lágrimas... Somos
impotentes...em muitas situações
palavras, frases não curam a feridas. O QUE FAZER ? compreender
o sofrimento de quem está próximo
sem jamais ter provado a situação
que os originou... Precisamos enxugar as lágrimas...sem muitas
perguntas, apenas um abraço. Ser
amigo...Um amigo sabe que viver é ouvir as histórias, dos que sofrem
sem julgamento.Amigo é aquele entende o que os olhos dizem sem
precisar de palavras. Amigo diante da dor, aguarda pacientemente que
surja aquele brilho no olhar do que sofre e se entusiasma quando o vê surgir. Nos momentos de dor o amigo é aquele que diz: vai passar
eu, estou contigo, eu te amo sem qualquer medo de má interpretação.
A dor finda...Quem mais entende de
de dor veio nos consolar: Jesus Cristo.
Gláucia... SS.SL.PZ.

Maíra da Fonseca Ramos disse...

Ai, que lindo, mocinha! Adorei conhecer teu espaço. Mas a dor, indo embora, deixa a vida sem sentido... Que fique também a poesia!