sábado, 10 de julho de 2010

Monte Negro (Resposta ao lindo poema de Martin)


Ah...
Finalmente alguém entra em cena!
Ah...
Finalmente ele leu o poema!
Hum...
Sinto cheiro de chuva,
Tem parreira, vem uva?
Eu ouvi claramente sobre gente, varal!
Eu ouvi sobre minha vó,
Sobre lenha, quintal!

Eu sonhei novamente,
Eu estou no natal!
Ah...
Finalmente alguém entra em cena!
Contracena comigo!
É amigo de alma!
Apazigua e acalma,
O voraz furacão!

Ah...
Eu senti um vulcão de alegria!
Ele ouviu a poesia,
E sentiu que nas danças,
Nas florestas dos tempos,
Deus tem planos mais altos,
Que ninguém pode ousar!

E que eu, sou pequena,
Pra beijar beija flores,
Pra amar mais que amores,
Que os amores de Deus,
Pois só Ele O Maior
Que me fez mais intensa,
Com amor assim denso,
Pra dizer aos quantro ventos,
Pra dizer aos montenegros,
Todos os meus segredos,
Estou aqui, vá com calma,
Ei, estou aqui! Vá com calma!

Sou amiga...
Um beijo! Um beijo!
Por toda a sua alma...

Gláucia Carvalho
10.10.2010

(Imagem - Índia - por Martin Montenegro)

3 comentários:

Anne Baylor disse...

Adorável..
uma delícia de ler..
como sempre..

J.F.AGUIAR disse...

As lembranças de uma avó,
lenha,quintal,varal,chuva e uva
não me acorde quero sonhar...

As palavras são eternas e ternas... disse...

ah... O Martin, O Martin... É um arroubo, um arrombo poético!
-)))
Ele inspira!
Como vocês Anne e Sr. José!
beijos, beijos, beijos!