terça-feira, 13 de março de 2012

Copos de Requeijão

Como eu sou diferente de quem me concebeu.
Ela é ela. Eu sou eu.
Dela são as porcelanas, a mesa devidamente arrumada,
Os talheres cada qual para sua função,
Minhas são as panelas no fogão,
E se querem beber, bebam no copo de requeijão.


Como sou diferente daquela
Que exatamente como minha irmã criou
Mas não teve jeito uma foi educada,
A outra simplesmente desandou.

Ambas, minha irmã e minha mãe,
Beiram à piscose da organização,
Não dormem se não tiver tudo guardado,
E ai se tiver panela suja de feijão.

Eu durmo no que sobra da minha cama,
Onde ficam roupas, livros, controles, pijamas,
Bolsas, filhos e não é raro não
Encontrar uns copos vazios,
Todos de requeijão...

Gláucia Carvalho
13.3.2012

(reciclem os copos de requeijão, massa de tomate. Eles são praticamente inquebráveis e dão "cria"...)

2 comentários:

J.F.AGUIAR disse...

Aqui em casa tem um caminhão: copos de requeijão, cristal nosso de cada dia.

Di Luz Pockrandt disse...

Querideza!

Adorável o jeito que és,
Tão bela e nobre é seu coração
Onde bebes não importa
sejas taças
Sejas copo de requeijão
moraras pra sempre
no meu coração...

kisses